Pular para o conteúdo principal

O livro "Diário de uma Vegana" mexeu com minha "alma" vegana

Ando enfrentando uma questão pessoal que envolve o universo da carne, do vegetarianismo e quiçá do veganismo. Não chega a ser um drama, talvez seja quase um dilema, o qual não consigo resolver -- não a médio prazo. E quem me conhece de verdade pode imaginar o quanto eu quero (ou precisava) escrever sobre o assunto. No entanto, faltava-me o estímulo para transformar em palavras o que sinto, ou melhor, o que sente minha alma vegana. O estímulo surgiu ao tomar conhecimento do livro "Diário de uma Vegana", de Alana Rox, autora que nasceu vegetariana e agora é vegana (um tipo de vegetariano estrito, que não consome NADA de origem animal).

O livro "Diário de uma Vegana" mexe com minha "alma" vegana
Livro: Diário de uma Vegana / divulgação

Quando afirmo que Alana nasceu vegetariana, vocês podem imaginar que seus pais não davam carne a ela, mas não é em assim: seus pais não eram vegetarianos. E o mais incrível é que ela e filha de uma gaúcha, ou seja, é nascida em terras onde a carne é praticamente a base da refeição.

Alana Rox rejeitava qualquer alimento de origem animal, para o sofrimento dos pais. Ninguém imaginava que a atitude instintiva da infância era apenas a semente da revolução que Alana faria em sua própria vida.


De vegetariana para vegana

Ao tornar-se vegana, passou não só a ter ótima saúde, o corpo e a mente energizados, mas sentiu vontade de compartilhar sua experiência com outras pessoas. Dividir suas descobertas e mostrar um caminho possível para se viver mais e melhor virou naturalmente sua missão. E é isso o que ela faz em seu livro com receitas práticas, saudáveis, sem nenhum alimento de origem animal e livres de glúten. O livro ainda traz dicas de cuidados de beleza e de limpeza ecológica e natural.

Minha "alma" vegana

Assim defino meu espírito porque ando pensando mais e mais a cada dia no sofrimento dos animais não apenas no momento do abate, mas também em como são criados e neste contexto posso englobar: o confinamento, o ambiente estressante, a alimentação que visa o ganho de peso, os hormônios e antibióticos que não apenas prejudicam o animal, como também quem come sua carne, além do sério problema chamado "contaminação do meio ambiente", que afeta direta ou indiretamente o planeta inteirinho. Neste ponto, cabe ressaltar que o gás metano liberado pelo gado em forma de flatulências é o maior causador do efeito estufa e isso é muito sério e nada engraçado, se considerarmos uma possível extinção da raça humana.

Tenho muita, muita, muuuita mesmo, pena de imaginar o sofrimento desses animais, muitos deles levam uma vida reclusa e tão triste que os faz liberar em seu organismo os hormônios do estresse (adrenalina e cortisol) que não afeta apenas seu organismo, como também o organismo de quem come sua carne e bebe seu leite - nós!

Meu sofrimento atual vai além do abate. Sempre imagino (parece que ouço) os gritos de sofrimento dos suínos ao serem abatidos de forma cruel, sendo que há como fazê-lo sem causar sofrimento aos porcos. Sei disso porque estudei sobre o tema "abate" de todas as espécies possíveis e imagináveis (até de equinos) quando prestei concurso para fiscal do Ministério da Agricultura (como farmacêutica). Mas me falta a ingenuidade para acreditar que todos os abatedouros aplicam esta forma de matar os animais para os humanos comerem suas carnes.

Na questão da saúde, meu quase drama não é menor. Sinto que meu sistema digestório não aceita tão bem a carne e o leite. O primeiro me deixa em um estado de torpor que dura horas e atrapalha meu rendimento no trabalho e afeta minha disposição em todo o resto. O segundo entra em uma luta contra meu intestino que teima em não digerir tão bem a lactose. Abro um parêntese: a maioria de nós -- seres humanos -- não produz uma quantidade suficiente de lactase, a enzima que digere a lactose (o açúcar do leite) e que tem de sobra no intestino do bezerro, para quem a vaca, de fato, produz o leite. Esse problema eu resolvi fazendo, em casa mesmo, bebendo leite zero lactose e iogurte com presença de lactobacilos que digerem a lactose (faço com o Bio Rich), já que os iogurtes comuns contêm lactobacilos que mais prejudicam do que ajudam meu pobre intestino :-/

Concluo escrevendo que tenho alma vegana porque sofro (de verdade) com tudo isso, incluindo a matança de animais para apenas retirar seu couro para ser usado na indústria da moda e os testes de cosméticos em animais -- coisas que não citei acima. E sempre penso: O que fazer? Conseguirei deixar de comer carne?

Continuo comendo carne


Infelizmente, o gosto da carne ainda me atrai, sobretudo a de peixes (coitadinhos deles, e cmo se debatem e abrem a boca quando são pescados) e de suínos (amooo linguiça com pão e vinagrete -- para mim, não há churrasco possível sem esse trio.

Felizmente (ufa!), por enquanto, tenho resolvido esse problema em parte... Estou consumindo carne sem gula, ou seja, como o suficiente para dar ao meu corpo a proteína que ele precisa e satisfazer meu paladar (estimulado por meu olfato) que não esquece o gosto do bendito pão com linguiça, do lombo de porco assado, do robalo grelhado, do pintado na brasa (ai meu Deus que delícia!) pelo bacalhau e, finalmente, pela combinação de aromas e sabores de um prato contendo: carne moída + arroz com feijão fresquinho (principalmente o da minha mãe) + quiabo refogado com tomate + banana à milanesa.

A ironia do destino é que minha carne preferida é a de caranguejo, animal que é "abatido" apenas quando o colocamos em um caldeirão cheio de água fervente -- no momento de seu cozimento.

É claro que ainda vou voltar a esse assunto, afinal, minha alma clama por habitar em um corpo vegano. :-( Quando conseguirei atendê-la? Não faço ideia!

Mais sobre o livro "Diário de uma Vegana"

O livro não é voltado apenas para veganos, mas também para quem quer experimentar o estilo de vida vegano ou simplesmente se alimentar de maneira mais saudável. Ele traz uma sugestão de cardápio para uma semana e os Top Hits, que são receitas especiais e preferidas da autora.

São refeições completas e inteligentes, nutricionalmente equilibradas, fáceis, rápidas, práticas, acessíveis e gostosas demais”, diz Alana sobre sua obra.

Gênero: Culinária | Editora: Globo Estilo | 176 Páginas
Preço: R$ 49,90

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esta ou essa quando usar (gramática)

Muita gente não sabe que há diferença em quando usar esta ou essa (gramática), em uma frase. E de fato há...

E respondendo a pergunta quando usar as palavras esta ou essa, desta, dessa e aquela: Vou explicar a diferença entre esta ou essa recordando a maneira como aprendi de um jeito que fez com que eu NUNCA MAIS ESQUECESSE...

...E recordando
Lembro-me que, certa vez (e lá se vão anos), perguntei ao meu professor de língua portuguesa - o estimado professor Albo - quando deveria usar essa ou esta e ele olhou firmemente em meus olhos - já era um senhor duns 75 anos ou mais - e disse enquanto batia com força e apontando para a mesa dele disse:

 _ Esta mesa é minha, e apontando para minha mesa (carteira)... _ Essa mesa é sua! E arregalou os olhos. Eu nunca mais tive essa dúvida. Se fixou que nem cola em meu cérebro e creio que na menta dos alunos da sala inteira.

Como fazer um bom café

Nada como um cheirinho de café passado na hora... O aroma do café quentinho recém-preparado e aquela fumacinha nos fazem necessitar de uma xícara de café e nem precisa ser feito em máquina de café expresso.

Mas como fazer um bom café?
Daqueles que a gente toma nas cafeterias ou em casas do interior do de fazenda, que a gente vê o grão torrado se transformar em pó (o aroma é quase perturbador) e torce para que a água passe logo pelo coador de pano já amarronzado de tanto café que já tirou.




A ideia para escrever esse post veio de uma entrevista que assisti e que me deixou cabreira, pois segundo a barista, é impossível tirar um bom café com o café que a gente compra no mercado... Leia no final*

Para preparar um bom café em casa se você for como a maioria das pessoas que não tem um moedor de café em casa (:/) basta seguir algumas dicas para um bom café:


1. O pó de café:
- Marca: Escolha uma marca que possui certificado de pureza e qualidade, o selo de pureza ABIC, facilmente verificado nas e…

Falar o que está entalado na garganta pra não somatizar e virar doença

Falar o que está entalado na garganta...

Essa atitude é perigosa, mas acho que deve ser tomada antes que você fique doente e somatizes (gerando doenças na garganta como infecções, problemas na tireoide de até câncer de garganta.

É perigosa porque você pode perder um amigo. Mas será que essa pessoa é mesmo sua amiga? Se fosse não te ofenderia, nem te magoaria com tanta frequência... Assim, no fim você só ganha, não perde...