Pular para o conteúdo principal

"Ley de Medios”: jornalistas brasileiros ignoram o tema

O Partido dos Trabalhadores divulgou na noite da última sexta-feira, 7, a resolução de apoio à decisão do governo argentino de tentar colocar em vigor a chamada “Ley de Medios”, que, implantada, obrigará grandes grupos de comunicação, como o Clarín, a se desfazerem de concessões de emissoras de rádios e TVs.

Para o PT, a posição do país vizinho impede o monopólio no setor e amplifica a liberdade de imprensa.

Na resolução, a legenda defende que alguma lei parecida seja criada no Brasil, além de defender que o ato está previsto na Constituição de 1988. O PT ainda acusa parte da imprensa nacional de ser contra as mudanças.
“Ao contrário do que afirmam setores da mídia brasileira, a nova legislação argentina contribui para ampliar a liberdade de expressão e aprofundar as transformações democráticas e sociais implementadas pelos governos Nestor e Cristina Kirchner”.


Apesar do PT, partido que está à frente do governo federal desde 2003, demonstrar o interesse de criar uma lei dos meios de comunicação, jornalistas brasileiros que cobrem política e internacional desconhecem o tema. Para abordar o assunto, o Comunique-se entrou em contato com 20 jornalistas que atuam nessas duas áreas. No entanto, 18 desses profissionais afirmaram que não estão acompanhando o desenrolar da “Ley de Medios” e não têm opinião formada sobre como determinação similar pode interferir, ou não, na liberdade de imprensa no Brasil.

Editor de ‘Mundo’ do jornal gaúcho Zero Hora, Luiz Antônio Araújo foi um dos dois jornalistas procurados pela reportagem que comentaram a “Ley de Medios”, que só não passou a valer desde a última sexta devido à ordem judicial que prorrogou o tempo para que os veículos se adaptem às novas exigências. O profissional do ZH argumentou que a postura do governo de Cristina tem como objetivo principal não democratizar a comunicação, mas atingir a imprensa que sempre se mostrou crítica.

“Existe um histórico bastante extenso de conflito entre o governo argentino e as empresas de comunicação. É impossível entender a lei da mídia separadamente desse conflito. Seguramente o governo tenta atingir os interesses dos grupos que operam em mais de uma plataforma e que se colocam como oposição ao governo”, disse Araújo.

Ele também comentou que dificilmente lei parecida existirá no Brasil, mas salientou que há outras formas de o governo nacional cercear a liberdade de expressão. Como exemplo, o editor do Zero Hora citou o caso do Estadão, que em 2009, por decisão judicial, foi proibido de relacionar o nome de Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), em notícias sobre a Operação Boi Barrica da Polícia Federal.

Colunista da Folha de S. Paulo e da Bandnews FM, Ruy Castro também se opõe a “Ley de Medios”. Ao sustentar argumentação parecida com a de Araújo, o jornalista afirmou que a decisão argentina fará a imprensa se tornar refém do governo.

 “Sou completamente contra [a lei dos meios]. Isso é uma jogada de governos calhordas querendo cercear a democracia”, enfatizou. Questionado sobre a postura do PT, ele respondeu que o governo brasileiro “deve ficar quieto e respeitar a liberdade de expressão”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esta ou essa quando usar (gramática)

Muita gente não sabe que há diferença em quando usar esta ou essa (gramática), em uma frase. E de fato há...

E respondendo a pergunta quando usar as palavras esta ou essa, desta, dessa e aquela: Vou explicar a diferença entre esta ou essa recordando a maneira como aprendi de um jeito que fez com que eu NUNCA MAIS ESQUECESSE...

...E recordando
Lembro-me que, certa vez (e lá se vão anos), perguntei ao meu professor de língua portuguesa - o estimado professor Albo - quando deveria usar essa ou esta e ele olhou firmemente em meus olhos - já era um senhor duns 75 anos ou mais - e disse enquanto batia com força e apontando para a mesa dele disse:

 _ Esta mesa é minha, e apontando para minha mesa (carteira)... _ Essa mesa é sua! E arregalou os olhos. Eu nunca mais tive essa dúvida. Se fixou que nem cola em meu cérebro e creio que na menta dos alunos da sala inteira.

Como fazer um bom café

Nada como um cheirinho de café passado na hora... O aroma do café quentinho recém-preparado e aquela fumacinha nos fazem necessitar de uma xícara de café e nem precisa ser feito em máquina de café expresso.

Mas como fazer um bom café?
Daqueles que a gente toma nas cafeterias ou em casas do interior do de fazenda, que a gente vê o grão torrado se transformar em pó (o aroma é quase perturbador) e torce para que a água passe logo pelo coador de pano já amarronzado de tanto café que já tirou.




A ideia para escrever esse post veio de uma entrevista que assisti e que me deixou cabreira, pois segundo a barista, é impossível tirar um bom café com o café que a gente compra no mercado... Leia no final*

Para preparar um bom café em casa se você for como a maioria das pessoas que não tem um moedor de café em casa (:/) basta seguir algumas dicas para um bom café:


1. O pó de café:
- Marca: Escolha uma marca que possui certificado de pureza e qualidade, o selo de pureza ABIC, facilmente verificado nas e…

O livro "Diário de uma Vegana" mexeu com minha "alma" vegana

Ando enfrentando uma questão pessoal que envolve o universo da carne, do vegetarianismo e quiçá do veganismo. Não chega a ser um drama, talvez seja quase um dilema, o qual não consigo resolver -- não a médio prazo. E quem me conhece de verdade pode imaginar o quanto eu quero (ou precisava) escrever sobre o assunto. No entanto, faltava-me o estímulo para transformar em palavras o que sinto, ou melhor, o que sente minha alma vegana. O estímulo surgiu ao tomar conhecimento do livro "Diário de uma Vegana", de Alana Rox, autora que nasceu vegetariana e agora é vegana (um tipo de vegetariano estrito, que não consome NADA de origem animal).


Quando afirmo que Alana nasceu vegetariana, vocês podem imaginar que seus pais não davam carne a ela, mas não é em assim: seus pais não eram vegetarianos. E o mais incrível é que ela e filha de uma gaúcha, ou seja, é nascida em terras onde a carne é praticamente a base da refeição.

Alana Rox rejeitava qualquer alimento de origem animal, para o s…