Pular para o conteúdo principal

Criança Esperança: Vale a pena doar?

Dizer que não faz uma doação ao projeto Criança Esperança por não ter "condições" [financeiras] não faz sentido. Isso porque o mínimo que se pode doar é R$ 5,00 e, ao menos que você pertença às classes D ou E, você tem sim, ao menos esse valor na carteira.


Mas então por que não doar ao Criança Esperança? Quais as razões para essa postura?


Costumo ser direta e usar linguagem acessível na maioria dos meus textos porque quero atingir a todos os públicos, incluindo os que não têm tempo nem paciência de ler textos longos e complexos, quanto os que possuem vocabulário limitado mas que merecem (ou precisam) entender de vários assuntos -- sim, sou da corrente de que todos devem entender de tudo para poder opinar e exercer a cidadania, se a sabedoria ficar na mente de poucos, hummm, vcs sabem o que acontece. Mas voltando ao tema do texto: "Criança Esperança - Vale a pena doar?" serei franca e citar uma experiência própria para que você tire suas próprias conclusões, ok amigo?

Foto: Reprodução do RPC (Responsabilidade social) da Globo 

Há alguns anos, uma pessoa (não serei indiscreta de citar quem foi) escreveu no Facebook que não doava ao Criança Esperança porque a Rede Globo fazia o programa apenas para faturar ainda mais com sua audiência e que bastava que ela mesma doasse o valor de um dia de programação ao projeto ou a várias entidades beneficentes para fazer algo por crianças necessitadas.

Escreveu ainda que uma amiga estava revoltada por ter recebido uma ligação (gravação) do próprio humorista Renato Aragão* (Didi para muitos) incentivando a doação. A pessoa encerrou escrevendo: não doo, não doo, não doo.

*Embaixador da Unicef.

Na época concordei em parte com o discurso (perto de 90%) e não me recordo a razão, pois faz muito tempo. Mas um dos motivos foi a atitude invasiva de telefonar para uma pessoa pedindo doações -- e se a pessoa estiver acamada e tiver dificuldades em atender o telefone? E se algum bebê for acordado com o som da campainha? Atitudes invasivas não são -- definitivamente -- a minha praia!

Mas os anos passaram e na edição desse ano da mega campanha mudei um pouco meu pensamento...

Se acho que vale a pena doar ao Criança Esperança?


Já respondo que sim, atualmente acredito que vale a pena -- a menos que suas condições financeiras à época da doação sejam críticas. Mas repito que essa é a MINHA opinião.

Concordo que a Globo não precisa fazer esse estardalhaço todo. Aqui cabe um comentário: outras emissoras aderiram à ideia como o Teleton do SBT. No entanto, todo o formato do programa -- música, imagens, histórias acerca de quem se beneficiou com a doação e quem ainda se beneficiará, entrevistas e depoimentos que alguns atores já se consagraram no comando, como os brilhantes Lázaro Ramos e Dira Paes, etc. -- colabora para despertar em nós nosso lado solidário, humano, entre tantos outros adjetivos positivos.



Há quem passe a ter mais atitudes solidárias após fazer uma singela doação de cinco Reais. E precisamos de mais pessoas caridosas no mundo, quanto mais, melhor.

Por fim, se a emissora doa parte dos seus lucros bilionários ou não, não sabemos, mas quem sabe ela passe a fazê-lo? Tenho um sentimento de "Adulto Esperança" que, afinal, é ou não a última que morre?

No site da emissora voltado exclusivamente para a campanha você pode acompanhar tudo, inclusive, o que será feito com o SEU dinheiro. Visite o site do Criança Esperança.

Sobre o Criança Esperança

Criança Esperança é um projeto da Rede Globo em parceria com a UNESCO - Órgão das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Meus textos estão de acordo com a reforma ortográfica da língua portuguesa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esta ou essa quando usar (gramática)

Muita gente não sabe que há diferença em quando usar esta ou essa (gramática), em uma frase. E de fato há...

E respondendo a pergunta quando usar as palavras esta ou essa, desta, dessa e aquela: Vou explicar a diferença entre esta ou essa recordando a maneira como aprendi de um jeito que fez com que eu NUNCA MAIS ESQUECESSE...

...E recordando
Lembro-me que, certa vez (e lá se vão anos), perguntei ao meu professor de língua portuguesa - o estimado professor Albo - quando deveria usar essa ou esta e ele olhou firmemente em meus olhos - já era um senhor duns 75 anos ou mais - e disse enquanto batia com força e apontando para a mesa dele disse:

 _ Esta mesa é minha, e apontando para minha mesa (carteira)... _ Essa mesa é sua! E arregalou os olhos. Eu nunca mais tive essa dúvida. Se fixou que nem cola em meu cérebro e creio que na menta dos alunos da sala inteira.

Como fazer um bom café

Nada como um cheirinho de café passado na hora... O aroma do café quentinho recém-preparado e aquela fumacinha nos fazem necessitar de uma xícara de café e nem precisa ser feito em máquina de café expresso.

Mas como fazer um bom café?
Daqueles que a gente toma nas cafeterias ou em casas do interior do de fazenda, que a gente vê o grão torrado se transformar em pó (o aroma é quase perturbador) e torce para que a água passe logo pelo coador de pano já amarronzado de tanto café que já tirou.




A ideia para escrever esse post veio de uma entrevista que assisti e que me deixou cabreira, pois segundo a barista, é impossível tirar um bom café com o café que a gente compra no mercado... Leia no final*

Para preparar um bom café em casa se você for como a maioria das pessoas que não tem um moedor de café em casa (:/) basta seguir algumas dicas para um bom café:


1. O pó de café:
- Marca: Escolha uma marca que possui certificado de pureza e qualidade, o selo de pureza ABIC, facilmente verificado nas e…

O livro "Diário de uma Vegana" mexeu com minha "alma" vegana

Ando enfrentando uma questão pessoal que envolve o universo da carne, do vegetarianismo e quiçá do veganismo. Não chega a ser um drama, talvez seja quase um dilema, o qual não consigo resolver -- não a médio prazo. E quem me conhece de verdade pode imaginar o quanto eu quero (ou precisava) escrever sobre o assunto. No entanto, faltava-me o estímulo para transformar em palavras o que sinto, ou melhor, o que sente minha alma vegana. O estímulo surgiu ao tomar conhecimento do livro "Diário de uma Vegana", de Alana Rox, autora que nasceu vegetariana e agora é vegana (um tipo de vegetariano estrito, que não consome NADA de origem animal).


Quando afirmo que Alana nasceu vegetariana, vocês podem imaginar que seus pais não davam carne a ela, mas não é em assim: seus pais não eram vegetarianos. E o mais incrível é que ela e filha de uma gaúcha, ou seja, é nascida em terras onde a carne é praticamente a base da refeição.

Alana Rox rejeitava qualquer alimento de origem animal, para o s…